Logotipo Allameda
Home Page Quem Somos Serviços Cases Clientes Contatos
 
 
29/10/2009
Sistemas de ERP invertem tendência e avançam nas pequenas empresas
Programas de gestão empresarial ganham modularidade, preços baixos e mais facilidade, entrando até em micronegócios

Sistemas de gestão empresarial, mais conhecidos como ERP (Enterprise Resource Planning), costumam ser associados a grandes corporações bem estruturadas e, o principal, com bolso para pagar os custos nem sempre baixos de softwares de gestão. Essa lógica, porém, vem sendo peça a peça desmontada por uma empresa de São Paulo, a Dzyon S/A, fornecedora de programas de ERP que andam na contramão do senso comum. Modulares e integráveis com um lego de gestão, os sistemas da Dzyon se tornaram um atrativo e tanto para pequenas e médias empresas que buscam diferencial competitivo e melhores resultados operacionais a custos acessíveis – a ponto de quatro em cada dez clientes de seus clientes serem hoje PMEs. Há pouco mais de um ano, o percentual não passava de 25% dos mais de 200 clientes fixos da Dzyon.

“O que encanta o empreendedor de negócios de menor porte é que a modularidade se aplica também aos custos do sistema”, analisa Francine Nonaka, CEO da Dzyon. “Pequenas empresas são muito sensíveis a preço e, ao deparar com uma solução completa que pode ser diluída, não querem saber de outra”, diz ela, explicando que para fomentar a procura de PMEs foi criado um formato de cobrança mensal – uma espécie de locação – que torna o investimento mais convidativo. Um exemplo de quem aderiu ao conceito é dado pela Div-Som, tradicional fornecedor de projetos e serviços de tratamento acústico, com 72 funcionários, sediado no bairro da Lapa, na capital paulista.

A Div-Som, conta seu gerente financeiro, Rafael Braz, investe apenas R$ 2 mil mensais nos quatro módulos de gestão adquiridos da Dzyon no segundo semestre de 2008 – e não só paga com sobra o investimento, a partir dos resultados do uso, como vem descobrindo resultados até onde não esperava. “Além de avançar uma enormidade no processo de geração de 2,5 mil notas fiscais eletrônicas mensais e no controle de 3 mil itens em estoque, tivemos ganho visível em produtividade e encontramos formas mais eficientes de negociar com fornecedores”, diz Braz. “Hoje, ao falar com eles, sabemos exatamente o que precisamos, quanto pagamos em outras negociações e o que podemos exigir em prazo e preço.”

O resultado é que os estoques diminuíram e o giro ficou mais inteligente, com menos dinheiro parado no almoxarifado. Só isso justificaria o investimento em ERP, mas Braz diz que esses pormenores são “a ponta do iceberg” de benefícios. Segundo ele, a implantação foi um “choque cultural de produtividade” na empresa como um todo, graças ao formato de treinamento inclusivo criado pela Dzyon.

Viajando no ônibus - Situação semelhante vive a Grifebus, firma de pequeno porte que instalou no início de 2008 três módulos de ERP Dzyon – Financeiro, Comercial e Fiscal. A empresa, sediada na Vila Maria, zona norte de São Paulo, é especializada em materiais para tapeçaria de ônibus rodoviários, comercializando itens como cortinas internas, carpetes e estofado para bancos. Criada em 1991, a Grifebus já havia tido uma experiência de uso de software de gestão de pequeno porte, mas não demorou a perceber que ele não dava suporte para o crescimento dos negócios. “Vendíamos e comprávamos sem controle seguro de nossas ações”, conta Marlene Moretti, diretora da empresa. Buscando melhorias que acompanhassem a evolução da empresa, a Grifebus encontrou nos modulares da Dzyon uma solução sob medida – capazes de solucionar tanto os desafios que enfrenta no momento quanto os que podem surgir no futuro.

Para a Grifebus, que vive em um mercado volátil mas com curvas de rápido crescimento, essa característica é básica. Ela decorre do uso da plataforma Progress para a criação dos módulos, desenvolvidos tendo em vista a flexibilidade de funcionar bem em pequenas firmas ou grandes companhias, de forma gradativa e até com integração a outros sistemas de gestão. Segundo Marlene, a oferta de ferramentas “que acompanham a idéia de crescimento da empresa” foi o que a levou a optar pelo sistema de gestão modular. “Foi a decisão certa. Hoje conhecemos nosso estoque e sabemos quanto temos de vender a cada instante. O contas a pagar e a receber estão sob controle e os impostos, em ordem”, comemora ela.

Por mexer com conceitos e formas de realizar os serviços, a implantação exigiu um tanto a mais de dedicação que a Grifebus imaginava, mas aí entrou outro diferencial do modelo modular – a imersão dos técnicos da Dzyon no negócio do cliente para afinar a implantação e aculturar os funcionários no novo esquema. Antes de qualquer outra medida, a fornecedora trabalha o fator humano, preparando funcionários para a mudança, eliminando o medo e alinhando os objetivos. Além disso, o sistema é entregue pré-configurado com as melhores práticas do mercado, know-how acumulado em 20 anos de experiência em gestão empresarial da Dzyon, o que garante resultados rápidos.

“Houve abertura para o diálogo, muita paciência do fornecedor e acompanhamento passo a passo, com treinamento e suporte”, diz Marlene, “coisas que são essenciais para um sistema destinado a gerir o coração da empresa.” Com 28 funcionários, a Grifebus busca gerenciar o crescimento de forma organizada, analisando pontos positivos e negativos de cada ação. “Com as informações gerenciais dadas pelo sistema, percebemos que podemos triplicar o volume de vendas. E estamos indo nessa direção”, afirma Marlene.

Curva de aprendizado - A percepção de Marlene, para Francine Nonaka, é parte da curva de aprendizado das empresas que passam a usar sistemas de gestão ou apenas alguns de seus blocos. “O conceito por trás de um ERP é dar ao gestor uma visão tão ampla quanto possível da empresa e, ao mesmo tempo, permitir que ele se debruce sobre qualquer detalhe e trabalhe sua melhoria”, diz ela. “Mesmo ao usar apenas partes, esse benefício se mostra tangível. Para uma pequena firma, muitas vezes é mais aconselhável fazer o trabalho em partes, evoluindo até chegar ao sistema completo – no nosso caso, são 14 módulos que integram 100% das áreas comuns nos segmentos de serviços, comércio ou indústria. Conforme a disponibilidade da empresa e maturidade dos funcionários, podem ser agregados novos módulos – e a evolução se faz mais natural.”

Uma média empresa que se rendeu aos encantos do ERP modular seguindo a ideia de evolução natural é a Longa Industrial, de Porto Feliz, no interior de São Paulo. Com 30 anos de mercado e 70 funcionários, inicialmente a Longa só precisava de um software para auxiliar as áreas fiscal, de faturamento e pagamentos, todas bastante específicas – ela atua no nicho de equipamentos e soluções para armazenamento. “Nos interessamos pelo conceito e fomos procurar entender como tudo funcionava. A implantação foi simples e rápida”, conta Aldo Planelles, gerente administrativo da empresa que, durante dois anos, utilizou apenas os módulos Fiscal e de Contas a Pagar e Receber do ERP Dzyon.

Em 2002, a Longa somou a eles os blocos Comercial e de Contabilidade, otimizando a comunicação interna. “Com a aquisição, tivemos uma melhoria expressiva na troca de informações entre os setores. O sistema integrado dá maior velocidade e segurança principalmente aos processos online. Hoje, ao fazer um pedido de compra, todos os setores envolvidos recebem a informação no mesmo instante”, exemplifica Aldo. Segundo ele, um ponto importante é o apoio técnico recebido da Dzyon por meio de suporte online, por telefone, email e terminal-server. “É uma grande facilidade, fundamental para nosso negócio, já que estamos a 100 quilômetros de São Paulo, e o suporte presencial imediato seria inviável”, afirma.

Um ponto em comum entre as PMEs usuárias do ERP em blocos da Dzyon é sua utilização como ferramenta para crescimento sustentável, importante para negócios de quaisquer portes – mas em especial para os menores, que não têm tanto estômago quanto as corporações para digerir erros nem tanto fôlego financeiro para arriscar em várias frentes. “Normalmente a pequena empresa só tem capacidade de dar um tiro por vez – e ele tem de ser certeiro. Nós acreditamos que estamos ajudando esses empreendedores a fixar a mira e atirar no momento certo, com o máximo de chance de acerto. Quer coisa melhor que isso?”, diz Francine.

Na web, a Dzyon está em www.dzyon.com.


Compartilhar



Retornar
 
 
 
Artigos
Artigos de Clientes de Allameda, especialistas em várias áreas. A republicação é livre.
Releases
Acesso a todos os press-releases e informações chave de nossos clientes.
Fotos em alta
Fotos de produtos, executivos e instalações de clientes de assessoria de imprensa.

ALLAMEDA.COM R Dr Rafael Correia 65 Cjto 4 Vila Romana | São Paulo | +55.11.3926-5580

powered by Fábrica de Tempo